Home

Exhibitions

Artists

Collection

Gallery

Shop

Autor / Author - Esther Elena Pea

Conhecer os problemas socioambientais atuais no nível local e planetário incentiva-me a contextualizar os meus projetos em relação ao território. Durante seu desenvolvimento, investigo os lugares socialmente aceites como “naturais”, passando por eles para compreender o que se designa de “naturalidade”, no que diz respeito à minha relação com ela através da experiência. A partir daqui, desenvolvo uma estrutura de trabalho relacionada com modo de proceder de duis personagens que me interessam: o naturalista e o detetive. Ambos os papéis são determinados pelo contexto histórico e pela forma como as suas identidades e procedimentos chegaram até nós. Desta forma, pretendo colocar meu trabalho em diálogo com correntes artísticas contemporâneas, que no meu caso constituem um espaço multidisciplinar capaz de favorecer a interação de diversas formas de atuação.

 

Concebo a prática artística como um meio de acesso ao conhecimento apoiado no trabalho de campo e nos processos de exploração e estudo. Ambos os procedimentos são utilizados constantemente durante o desenvolvimento dos projetos e constituem o suporte de trabalho sobre o qual construo conjeturas e figurações que posteriormente serão projetadas em instalações. Por um lado, o trabalho de campo consiste em fazer passeios e derivas por ambientes socialmente aceites como “naturais”, como ravinas, pinhais, extensões de floresta laurissilva ou monteverde e encostas. Enquanto os processos de estudo, aludem ao estabelecimento de técnicas de atenção e reflexão voltadas para conhecer e compreender o que acontece em um determinado espaço - seja ele físico, teórico ou formal. Normalmente, esses processos adquirem uma dimensão mais abstrata que a anterior.

 

 

Caminhar, passear, passear... passear, permite-me aceder à estrutura de um espaço de forma detalhada. Mas, além disso, esse ato de rondar surge de uma necessidade individual, de sair da cidade, de ter consciência, de transcender a própria cidade pela experiência empírica do outro. Assim, como o flâneur, o passeante de Baudelaire estava interessado em ocupar o espaço urbano, com o objetivo comum de compreendê-lo. A deriva como prática artística leva-me a habitar um lugar natural, mas também à sua apropriação; criar um espaço de dissociação entre isso e o ritmo acelerado dos centros populacionais; romper rotas cotidianas e rotineiras, dedicar-me a passear de forma lúdica e, assim, estabelecer um vínculo com esses espaços e com o ato de deriva gerado entre o final dos anos 50 e início dos anos 70 pelo movimento situacionista.

Descriçäo Imagem

Guatemala, palmeira africana 

50 centavos de quetzal de 1998 e raiz, 34x24x13 cm, 2016


Guatemala, african palm tree

50 centavos de quetzal 1998 bill, and root, 34x24x13 cm, 2016


Caixa de luz / Light box

Descriçäo Imagem

China, cipreste chinês

nota de 10 yuanes de 2005 e raiz, 56x25x13 cm, 2021


China lemon cypress

10 yuanes 2005 bill, 56x25x13 cm, 2021


Caixa de luz / Light box

Descriçäo Imagem

Bosnia e Herzegovina, salamandra.

10 dinares de 1992 e raiz, 21x15x13 cm, 2021


Bosnia and Herzegovina, olm

10 dinares 1992 bill, and root, 21x15x13 cm, 2021

Descriçäo Imagem

Qatar, ostra pérola de lábio negro.

1 Rial de 2008 e raiz, 21x15x7 cm, 2021


Qatar, black lip pearl oyster

1 rial  2008 bill, and root, 21x15x7 cm, 2021